Twitter do SuperGospel Facebook do SuperGospel RSS - SuperGospel

Matérias em destaque



Análise

CD De Vento em Popa
(Vencedores por Cristo)

Tiago Abreu em 14/01/2016
Para o Super Gospel
Em quase 40 anos de lançamento, De Vento em Popa estranhamente continua a ser vanguardista. Estranhamente, porque, em quatro décadas, ainda persiste a dicotomia da valorização da cultura nacional em detrimento do uso de versões estrangeiras no meio musical evangélico. Em 1977, a discussão não era diferente e o Vencedores por Cristo, mais importante grupo protestante da época, entendeu, desafiou-se e produziu sua maior obra até os dias de hoje.

Depois de explorar as primeiras composições de autores brasileiros em algumas faixas do álbum Se eu Fosse Contar... (1973), a proposta era de explorar as possibilidades que a música popular brasileira e todo o seu universo poderia proporcionar através de músicas escritas por Guilherme Kerr, Sérgio Pimenta, Aristeu Pires, Carlos Ferreira, Artur Mendes, Ederly Chagas, Abílio Chagas e Nelson Bomilcar.

Através da obra, o fenômeno Vencedores por Cristo revelava o potencial criativo e força que ostentava dentro do universo evangélico. Nenhuma banda, à altura daquele campeonato, teria a capacidade de questionar e amadurecer sua própria estrutura e identidade como o VPC. Para canalizar e expor todos os efeitos destas experiências, De Vento em Popa foi a saída sofisticada e mais inventiva que poderiam realizar.

A influência da MPB se revela logo na faixa de abertura assinada por Aristeu, apostando em versos contextualizados, outros de enfoque escancaradamente cristão. Esta alternância é vista em todo o repertório. O tom confessional do álbum não é unilateral. Sinceramente, balada de rock setentista do álbum, não deve em nada às canções do Clube da Esquina – movimento que também se faz sutilmente presente nos diversos instrumentos que preenchem o arranjo, como a flauta transversal, violão de aço e nylon, harmônica, bongô e viola. De Vento em Popa é completo nas referências, seja pela bossa nova de Salmo 139, a Jovem Guarda em Vai Caminhando, a orquestra de cordas de A Roseira ou até mesmo o rock de Canto.

Apesar de desafiador, a estética do projeto tem seus limites. As letras não indicam, em momento algum, contestação. Os problemas socioeconômicos do Brasil, em plena ditadura, não se fazem presentes. A principal função da maioria dos versos é de trazer um olhar que vai além das introspectivas experiências cristãs, tem função evangelística. Se os versos não indicam tão significativa contracultura, os arranjos se contrapõem ao intenso tradicionalismo da época na maior parte das igrejas evangélicas.

Conciliando movimentos e gêneros, o quinto trabalho do Vencedores é certamente o mais ambicioso da banda desde sempre. A capa, cujo barco a vela navega pelo mar, indica uma viagem suave num território pouco sólido, transitório. A banda sabia muito bem que suas aspirações eram um passo ousado, mas souberam chegar ao destino com êxito. Hoje, ainda não existe disco no cenário cristão que retrate a cultura musical brasileira com tanta riqueza quanto De Vento em Popa.

Nota: ★★★★★


Compre o CD De Vento em Popa na loja virtual Gospel Goods

Atenção: As análises são escritas por usuários colaboradores do Super Gospel, e descrevem suas opiniões pessoais. Os comentários e observações não necessariamente refletem as opiniões do site.

Seja social :)

 

Deixe o seu comentário


Grátis: Novidades em seu email


Siga-nos no twitter

Fique ligado em música gospel: @supergospel

Conheça os lançamentos e promoções: facebook.com/gospelgoods (Loja virtual Gospel Goods)



Novidades em seu email

Conteúdo Top





Parceiro

O Super Gospel, o portal da música gospel, é patrocinado pela loja virtual Gospel Goods
Loja virtual Gospel Goods
Fique ligado no que acontece no Super Gospel: Siga-nos no Twitter, receba atualizações via RSS ou e-mail.
Copyright - 2001 - 2011 Supergospel. Todos os direitos reservados.