Análises

CD Lá de Casa (Marcos Almeida) - Análise

Primeiro registro solo totalmente inédito do cantor mineiro, também é seu álbum mais alegre

Tiago Abreu em 04/11/19 413 visualizações

Quando o Palavrantiga lançou Sobre o Mesmo Chão em 2012, o vocalista Marcos Almeida fez um teste de território. O segundo registro do grupo era muito mais sisudo, mais crítico à segmentação religiosa e tentava ser mais brasileiro mesmo nas batidas do rock alternativo. A mistura, na verdade, nunca funcionou muito bem para o excesso de rock’n’roll da banda.

Em carreira solo, o mineiro se demonstrou mais engajado com a cultura nacional desde o single “Biquíni de Natal” e, em 2019, Lá de Casa é o seu auge como músico e letrista. Primeiro registro de inéditas de uma carreira sustentada pelos anteriores hits do Palavrantiga, o novo álbum é marcado pelo recomeço. Marcos não apenas manteve o tom contemplativo de suas canções mais inspiracionais, como carrega também uma alegria pop jamais antes vista.

Não é coincidência. Enquanto “Sobre o Mesmo Chão” era quase uma exortação sobre a validade das ideias do novo movimento, a faixa-título Lá de Casa usa o mesmo discurso num tom cotidiano por meio de um encontro musical d’O Rappa com Luiz Gonzaga. Não há como dissociar a felicidade sudestina de Marcos com a música do seu frequente colaborador Paulo Nazareth – uma composição que é a cara do ex-frontman da Crombie.

O som continua não muito diferente do Palavrantiga, mas Marcos parece mais despojado. Jeito do Céu, por exemplo, é um cumprimento direto e sem qualquer vergonha ao canto e som de Rodrigo Amarante dos últimos registros do Los Hermanos. A associação não é nova: a relação entre as influências que unem as duas bandas, desde o Strokes e o pós-punk, é bastante conhecida.

As canções contemplativas são levemente diferenciais. O Palavrantiga mantinha uma poética mais vertical, enquanto Pensamento Bom é relativamente horizontal, uma continuação natural para “De Manhã”; também é o canto de um homem menos estressado que agora até brinca com o auto-tune, ou quando canta Cuidando de Você como um pai que observa os filhos a brincar no jardim.

O ápice de felicidade do registro é a praieira Que Onda, que pode se encaixar com o cenário pop-MPB mas, por outro lado, também lembra por excelência “Céu Azul” e seu tom descompromissado (e sim, Marcos já compartilhou influências de Charlie Brown Jr.). De qualquer forma, quando o músico declara que “toda vez que eu vejo o mundo eu ouço Deus falar”, prova que Lá de Casa, como registro artístico, é capaz de subverter muros.

Avaliação: ★★★★☆

Lá de Casa

(Álbum) 10/19

(5,0/5)
Total de votos: 1

Ouça e dê sua nota

Ouças as músicas e saiba mais sobre: Marcos Almeida

Veja também no Super Gospel:

Tiago Abreu

Jornalista formado pela Universidade Federal de Goiás (UFG), escreveu para o Super Gospel entre 2011 a 2019. É autor de várias resenhas críticas, artigos, notícias e entrevistas publicadas no portal, incluindo temas de atualidade e historiografia musical.


Comentários

Para comentar, é preciso estar logado.

Faça seu Login ou Cadastre-se

Se preferir você pode Entrar com Facebook

Receba as novidades de música gospel diretamente no seu WhatsApp. Seja avisado sobre novos vídeos ou músicas.

Entrar no grupo

Este é um serviço totalmente gratuito e você pode sair quando desejar.