Análises

Obrigado (Lynk 4)

Roberto Azevedo em 29/12/05 29976 visualizações

Obrigado

(CD) 01/04


Seja o primeiro a avaliar

Ouça e dê sua nota

O Link 4 é um quarteto vocal masculino formado por integrantes do Raiz Coral. Sergio Saas assina a produção deste trabalho através do seu selo Saas Music e é também o principal responsável pela concepção musical do disco, através dos arranjos e da participação nas letras.

Scooby, Panthro e Ton Carfi completam a formação do quarteto de rhythm & blues que veio para acrescentar mais um toque de qualidade na nossa black music gospel, que chegou a um ponto em que não pode mais ser ignorada.

Obrigado é o primeiro lançamento da banda. A capa foi muito bem produzida, no melhor do estilo das bandas de black music americanas, que são a principal referencia em trabalhos como esse.

O cd é uma mistura do som feito por grupos como 112 (mais melódico) e Boys II Men (mais dançante) e é recheado de belas melodias explorando os melismas (ornamentos vocais característicos do r & b).

Outra característica positiva é o tradicional “peso” presente na mixagem, fato que não era uma constante no inicio do desenvolvimento da black music nacional, mas que começou a mudar com o primeiro disco do Templo Soul e aconteceu definitivamente com o “Mais que vencedor” do FLG.

Ouve Senhor abre a gravação. Solada por Saas essa canção é uma oração pela presença de Deus.

A faixa título, Obrigado, é uma canção de gratidão. “Obrigado Senhor pelo Teu infinito amor; existem muitas razões para agradecer ao Senhor, pelo cuidado que nunca me deixou faltar”.

A divisão de vozes em todas as faixas beira a perfeição, mas além da técnica, o quarteto empolga pela emoção com que as músicas são cantadas. Very good!

O nome traz a participação do inconfundível timbre do pregador Luo do Apocalipse 16 e sua tradicional criatividade. (qual o álbum de black nacional que o Luo ainda não participou?) Solada por Ton Carfi essa canção versa sobre o poder que há no nome do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Outra constante nos hinos deste disco são os belos detalhes de violão tocados por Anderson Gonçalves preenchendo os espaços com arpejos e frases criativas e interessantes.

No tempo de Deus mantém a pegada r & b, mas dessa vez sobre uma letra romântica. “O verdadeiro tempo de Deus não é quando a confirmação vem pela boca do homem ou pelo desejo de uma só pessoa, mas quando há amor em dois corações”.

Não existe outro Deus tem uma pegada charme muito utilizada por cantores como o Maurílio Santos.

O amor de Cristo mantém a pegada charme da faixa anterior. Destaque para o caminho melódico trilhado no final das estrofes e para os detalhes do violão.

Há um lugar especial começa versando sobre o nascimento de Moisés, a esperança da terra prometida pelo povo hebreu, o desespero perante o mar vermelho e a provisão de Deus.

Depois traça um paralelo com o nascimento de Jesus Cristo, a esperança de salvação através da sua morte na cruz, o nosso desespero perante o pecado e a promessa de vida eterna na volta de Cristo.

“Há um lugar especial, um lugar além do rio, onde não haverá mais morte ou dor, onde os homens vão amar. Há um lugar além do rio, um lugar feito pra mim, terra santa onde mana leite e mel, Canaã”.

Entrega sua vida é uma versão. A canção original chama-se The road. Funciona como uma vinheta e é interpretada a capela (sem auxilio de instrumentos musicais). É solada por Ton Carfi enquanto ao fundo o trio faz o que sabem fazer melhor.

Alguém que eu amo pode ter duas interpretações. Pode-se estar agradecendo a Deus por Jesus ou por alguém muito especial para nós aqui em nossa peregrinação (esposa, esposo, filho, etc)

Eu sempre vou acreditar versa sobre os benefícios de se tomar decisões debaixo da vontade de Deus. “Tentei seguir sozinho, fazer meus próprios caminhos e esqueci que o homem faz os planos mas quem dirige os passos é o Senhor, tentei, errei, mas me feri, mas hoje eu aprendi que tudo que disseres eu devo ouvir”.

É a faixa mais swingada do disco. (pra quem conhece, ela tem uma levada e um arranjo muito explorado pelo black soul D´Angelo).

Eu vou me embora é um soul que traz uma mistura de Tim Maia e James Brown mesclado com os spirituals americanos. Traz a participação do Dádiva Team, que é outro ministério fruto do Raiz Coral. Cris Silva interpreta a única participação feminina do trabalho com a devida competência.

Uma rádio version para Há um lugar especial fecha o cd.

A técnica dos meninos é inquestionável, porém o mais importante é o reconhecimento por parte deles de que Deus é o doador de seus talentos. E oramos para que eles nunca percam essa visão, para tenhamos mais discos do Link 4, excelentes na área musical e edificantes na área espiritual.

Antes de terminar gostaria de deixar bem claro que os exemplos que usei relacionando determinadas musicas a artistas não evangélicos (112, Boyz II Men, Tim Maia, James Browm e D´Angelo) não foi feito, em momento algum, com a intenção e a pretensão de rotular a banda. Afinal de contas, de “boas intenções o inferno esta cheio”.

Porém para não traçar paralelos entre bandas cristãs e correr o risco de cair no erro de ficar fazendo comparações que nada contribuem para a diversidade da multiforme graça de Deus e tendo a necessidade de situar o som dos garotos no vasto universo da black music, optei pelos grupos seculares.

Glórias a Deus pelo Link 4 e pelo seu “ministério tronco”, o Raiz Coral.
Obrigado

(CD) 01/04


Seja o primeiro a avaliar

Ouça e dê sua nota

Roberto Azevedo

Roberto Azevedo é cristão e membro da Comunidade Evangélica Betel (RJ). É militar e curte música, filmes e games (não necessariamente nesta ordem). É o principal colaborador do SuperGospel desde 2005.


Comentários

Para comentar, é preciso estar logado.

Faça seu Login ou Cadastre-se

Se preferir você pode Entrar com Facebook

Receba as novidades de música gospel diretamente no seu WhatsApp. Seja avisado sobre novos vídeos ou músicas.

Entrar no grupo

Este é um serviço totalmente gratuito e você pode sair quando desejar.