Análises

Ouvimos Retratos de Vida, um clássico do grupo Milad lançado em 1987 - Confira nossa crítica retrospectiva

Tiago Abreu em 18/02/16 1826 visualizações
Um dos discos mais criativos e originais de toda a história da música cristã no Brasil, Retratos de Vida é um projeto pretensioso, robusto, que alinha diversas vertentes e sonoridades ao longo das dez faixas. As letras da obra trabalham temáticas como caos social, fome, desigualdade econômica, sexo, prostituição, solidão humana, cenário noturno comum de metrópoles como a maior cidade do país, São Paulo.

Mas o grande triunfo do álbum está na sonoridade. Da mesma forma em que intrica temas, une diversos gêneros ao seu favor. Platéia dá abertura a narrativa com influências da bossa com um forte arranjo de metais, enquanto disserta sobre a elite musical brasileira. Antagonicamente, o projeto segue com a melancólica Esquinas Cruéis, conduzida em teclado, voz e cordas, nos vocais e composição de João Alexandre, enquanto a visão de uma prostituta – triste e solitária – se entrelaça à interpretação suave, embora marcante do cantor.

O álbum é cheio de antíteses e usa do recurso com vontade, sem abusos. A prostituição e o pouco valor humano ganha contraste frente à redenção oferecida por Cristo. Pobres Ricos e Meninos de Rua, uma ao lado da outra, reforçam os antagonismos. Tantas contradições apenas fortalecem a ideia de desigualdade proposta no projeto.

Olhos no Espelho, grande triunfo de João, ganha força pelas suas variações harmônicas e instrumentais. As suaves Instrumental III e Instrumental II e o destaque dado nas linhas de baixo pelo baixista e arranjador Toninho Zemuner formam espectro digno de trilha-sonora para um filme. Solidão de Ilha, escrita por Vavá Rodrigues e com influências da MPB, é mais direta e incisiva sobre os anseios e paixões humanas sobre a paz. A única faixa que realmente destoa e sobra na obra é Virada Radical, cujo new wave tão característico das bandas de rock nacionais oitentistas é tributado com versos previsíveis.

Retratos de Vida, assinada por Toninho em parceria com Alexandre Rocha, resume e conclui bem o projeto, com a coragem e sinceridade de falar da cidade e o espaço urbano. Gravado nos meses mais frios do sombrio ano de 1987, a obra consegue trazer o olhar de jovens que viveram uma das épocas difíceis na economia brasileira, mas com a esperança de quem também credita a Deus a solução para estas causas.

Nota: ★★★★
Retratos de Vida

(CD) 10/87


Seja o primeiro a avaliar

Ouça e dê sua nota

Ouças as músicas e saiba mais sobre: Milad

Veja também no Super Gospel:

Tiago Abreu

Jornalista formado pela Universidade Federal de Goiás (UFG), escreveu para o Super Gospel entre 2011 a 2019. É autor de várias resenhas críticas, artigos, notícias e entrevistas publicadas no portal, incluindo temas de atualidade e historiografia musical.


Comentários

Para comentar, é preciso estar logado.

Faça seu Login ou Cadastre-se

Se preferir você pode Entrar com Facebook

Receba as novidades de música gospel diretamente no seu WhatsApp. Seja avisado sobre novos vídeos ou músicas.

Entrar no grupo

Este é um serviço totalmente gratuito e você pode sair quando desejar.